Projeto Célula Gigante

Ensinar, e também aprender, como funciona a célula, como está estruturada, quais funções exerce e a importância que ela tem para a vida? Esses ainda são os desafios para professores e pesquisadores em ensino de ciências. Estruturado nesses desafios, em 2006, nasceu o programa de exposições itinerantes que levou às escolas um modelo de célula gigante – uma estrutura de 40m3, representando o interior da célula amplificada em 130 mil vezes, na qual professores e alunos podem caminhar pelo seu interior, receber informações sobre seu funcionamento e visualizar estruturas como ribossomos, mitocôndrias, complexo golgiense e núcleo celular (onde estão as moléculas de DNA do genoma). 

Em 2006, a exposição itinerante também levou às escolas estandes com uma série de atividades instrucionais explicando o funcionamento das estruturas visualizadas no interior da célula gigante. 
No segundo semestre de 2006, a célula gigante foi a 16 escolas de ensino médio da região metropolitana de São Paulo e foi visitada por cerca de sete mil alunos. Essas atividades foram monitoradas por alunos de graduação e pós-graduação vinculados ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo.

Atualmente, a Célula Gigante   participa de vários eventos como Mostras, Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, Feira de Ciência, SBPC e Exposição na Estação Ciência. 

 

 

   Galeria de fotos

 

 

"Viagem ao interior da célula".
 

 

O papel da Fapesp e do CEGH